9 cuidados diários que você precisa ter com seu veículo

Não tem como fugir: muitos brasileiros sonham em ter um carro próprio. Essa é uma forma de ter mais autonomia no deslocamento, além de proporcionar ótimos momentos de lazer.

Depois de conquistar e levar um veículo para sua garagem, muitos compradores acabam esquecendo que ter um carro exige muito cuidado. Esse zelo, por sua vez, demanda tempo e atenção, mas é a melhor forma de conservá-lo e evitar muita dor de cabeça.

Se você quer conhecer alguns cuidados diários com o veículo que deve adotar, então está no lugar certo. Veja agora mesmo 9 dicas que elencamos aqui. Vamos lá?

1. Dê atenção para o motor

A motorização de um veículo é um ponto muito importante e merece atenção diária. O ideal é ficar de olho sempre que usar o carro — e isso envolve observar seu desempenho e possíveis barulhos e/ou ruídos. Além disso, atente para a emissão de fumaça, pois ela pode sinalizar problemas maiores e que devem ser prevenidos.

2. Mantenha o veículo limpo

Andar em um veículo limpo traz uma sensação ainda melhor, pois o ambiente fica mais confortável. O que poucos motoristas sabem é que essa prática também tem uma forte associação com a tarefa de aumentar sua vida útil do carro. Portanto, adote essa ideia e tenha em mente que esse é um dos principais cuidados diários com o veículo!

Se o orçamento está apertado, lembre-se de que você mesmo pode se responsabilizar pela limpeza. Um aspirador, pano molhado e outros cuidados ajudam muito a manter o carro limpo. Embora algumas pessoas não acreditem, a sujeira pode impregnar depois de algum tempo, então é bom tomar cuidado.

Os estofamentos, por exemplo, podem ser ainda mais danificados, já que têm a possibilidade de ficar permanentemente sujos. Caso ele seja de couro, uma dica é usar produtos específicos que ajudam a evitar rachaduras e fortalecer o material. Por essas e outras, não deixe de investir em uma limpeza consistente e perceba os benefícios que essa prática tem!

3. Calibre os pneus e mantenha alta performance do carro

Esse é outro cuidado simples e que você pode adotar sem grandes dificuldades. Como não é difícil e nem demanda muito tempo, você pode fazer isso no caminho para o trabalho ou quando estiver se deslocando para qualquer outro compromisso.

Para quem não sabe, ter os pneus calibrados é uma forma de aumentar a durabilidade. deles. Isso acontece porque ele passa a se desgastar de forma regular e lenta, então é importante evitar andar abaixo da calibragem recomendada. Caso não saiba qual é o calibre que deve manter, consulte o manual do seu veículo e descubra sem grandes dificuldades.

4. Observe o consumo de combustível

O consumo de combustível é outro ponto que merece atenção diária. Embora nem sempre seja necessário abastecer, é bom ficar de olho se tem a quantidade necessária para se deslocar.

Esse ponto é importante considerando que um tanque vazio é mais propenso ao acúmulo de sujeira e outras impurezas. Isso pode parecer pouco significativo, mas pode trazer grandes problemas para o seu funcionamento (principalmente a médio e longo prazo). Sem contar, ainda, que pane por falta de combustível é fator passível de multa.

5. Esteja atento aos freios

Os freios são importantíssimos quando o assunto é o bom funcionamento de um carro. Para isso, esteja de olho em qualquer ruído ou barulho sempre que precisar acioná-los. Por mais que passe desapercebido para alguns, esse barulho pode revelar algum problema no disco ou na pastilha.

Para não ficar na mão ou até mesmo sofrer com algum problema inesperado, adote essa prática nos cuidados diários com o veículo. Assim você trafega com segurança e preserva a vida de quem você ama!

6. Tenha cuidado com a maneira de dirigir

A forma como dirigimos pode influenciar diretamente na deterioração ou cuidado com o carro. Por isso, ter cautela, prudência e direção defensiva na hora de conduzir são apenas alguns exemplos de como cuidar bem do seu carro.

Dirigir sem cuidado é mais um hábito que pode parecer despretensioso, mas ajuda a desgastar a embreagem e outras peças. Isso porque alguns motoristas insistem em acelerar muito sem grandes necessidades — além de outros comportamentos que não são recomendados.

Quando o assunto é o cuidado com a maneira de dirigir, um ponto que não poderíamos deixar de abordar é o fato de que muitos motoristas mantêm o pé na embreagem. Esse ponto a desgasta, torna seu funcionamento menos eficaz e exige uma troca com mais frequência. Evite essa prática para trafegar sem grandes dificuldades.

7. Analise a situação da pintura

Sempre que for entrar no carro, dê aquela olhada na pintura e perceba se está tudo OK. Se você consegue manter o carro limpo, então consegue cuidar um pouco melhor da pintura.

O cuidado de perceber a situação da pintura é muito importante, pois essa é uma forma de reparar sempre que alguma parte se desgastar. Nesse caso, os cuidados diários com o veículo envolvem remover as sujeiras acumuladas durante o dia, como dejetos de animais e outras substâncias.

Para manter a pintura em dia, evite os descascados, oxidação de metais e até mesmo estacionar no sol. Caso a situação já esteja ruim, uma alternativa é repintar o carro.

8. Observe a condição dos vidros

Os vidros são sensíveis e merecem ser analisados diariamente. Um teste importante é conferir a condição do limpador de para-brisa, pois quando eles estão desgastados podem provocar desgaste na borracha e no próprio vidro.

Somado a isso, esteja atento a qualquer trincado ou desgaste. Algumas vezes pedras e outros materiais são lançados e acabam desgastando essa parte.

9. Cheque o volume de água e óleo

Se você é um apaixonado por carro, então sabe que os cuidados diários com o veículo vão além daqueles aparentes. Olhar e verificar o nível de água e óleo é um cuidado muito importante, pois garantem que ele funcione conforme foi programado.

Quando for realizar essa checagem, uma alternativa é olhar também o sistema de arrefecimento (o radiador). Assim você garante que o funcionamento acontece da melhor forma possível.

Agora que você já conhece alguns dos principais cuidados diários com o veículo, não deixe de adotar cada um deles! Essas práticas fazem toda diferença na performance do seu carro e preservam a desvalorização natural.

Fonte: www.instacarro.com

Tudo o que você precisa saber antes de trocar o óleo do carro

Aprenda a evitar os principais erros na hora de substituir o lubrificante do motor

Nunca é demais lembrar que o óleo, além de lubrificar, limpa as superfícies internas do motor e garante seu bom desempenho.

Mesmo assim, tem gente que comete erros comuns ao trocar o produto. Ou então leva o carro ao posto de gasolina – que muitas vezes não tem o preparo ideal para fazer o serviço, nem se preocupa em inspecionar como está sendo feita a troca.

Para que você não caia nessa armadilha, mostramos a seguir os principais perigos na hora de substituir o lubrificante.

Passar o prazo de troca

Respeitar os prazos (intervalos de 5.000 km ou 10.000 km, conforme o fabricante) não é excesso de zelo. O óleo se contamina e oxida com o passar do tempo.

Sendo assim, utilizar o produto além do período recomendado pela montadora pode levar à formação de borra e comprometer a capacidade de lubrificação das peças internas do motor, com aumento de atrito e desgaste precoce.

Só completar o lubrificante

O ideal é sempre fazer a troca completa. O ato de completar, mesmo que seguindo a mesma especificação, acaba por misturar óleo novo com usado.

Nesse processo, haverá contaminação, o que pode comprometer a eficácia do óleo, pois a mistura resultante é um lubrificante misto, muito diferente dos dois originais. Caso seja inevitável completar, o recomendado é que seja feito com produto de mesma marca e, assim que possível, todo o lubrificante seja substituído.

 Misturar mineral com sintético

O correto é nunca misturar o óleo, mas em situações de emergência (como um vazamento) é possível misturar marcas diferentes quando não houver o mesmo lubrificante.

Mas eles devem sempre ter a mesma base (sintético, semissintético ou mineral), a mesma viscosidade e o mesmo grau API e SAE. Caso contrário, pode prejudicar a eficiência da lubrificação e gerar sérios riscos ao motor.

Por exemplo, viscosidade acima da indicada resultará em maior consumo de combustível e o lubrificante irá trabalhar em uma temperatura maior, reduzindo sua vida útil. Já viscosidade inferior irá provocar desgaste prematuro do motor. E lembre-se: assim que possível, deve-se fazer a troca completa.

Por Fernando Miragaya – Quatro Rodas Brasil

Como escolher o pneu mais adequado para meu veículo?

A escolha de um pneu deve estar em conformidade com a legislação e o equipamento original definido pelo fabricante do veículo, ou por um órgão oficial (dimensão, índices de carga e velocidade, estrutura etc). É necessário levar-se em conta também as condições de utilização do pneu, afim de que as performances do mesmo respondam às necessidades do utilizador.

No mesmo eixo, é obrigatório usar dois pneus iguais com o mesmo desenho da banda de rodagem, a mesma dimensão e desgaste semelhante.

É importante não usar o pneu com uma pressão não recomendada, em uma velocidade ou com uma carga superior àquela determinada pelo seu índice.

Dica Michelin

Os principais itens para incluir na manutenção preventiva

A manutenção preventiva é a forma mais econômica de manter o carro em bom estado. Um automóvel que não está com o motor regulado e com peças desgastadas consome mais combustível e perde desempenho.

1 – Freios

O fluido de freio deve ser trocado em média uma vez por ano. Discos de freio, pastilhas, tambores e outras peças do sistema devem ser revisados a cada 10 mil quilômetros.

2 – Troca de Óleo

Tanto o óleo lubrificante quanto o filtro do óleo precisam ser trocados nas datas estabelecidas pela montadora, em média a cada 10 mil ou a cada seis meses. Se isso não for feito, os danos ao motor podem causar grandes prejuízos. Você também deve consultar o manual do proprietário sobre as trocas de óleo da caixa e da direção hidráulica.

3 – Sistema de Arrefecimento

A cada 30 mil quilômetros é necessário executar uma limpeza no sistema. Radiador e reservatório de expansão são as peças que devem ser limpas. O fluido (água mais aditivo) é responsável pela refrigeração e o perfeito funcionamento do motor. O aditivo do radiador deve ser trocado também a cada 30 mil quilômetros.

4 – Filtro de Ar

Tipo de manutenção rápida, fácil e barata. A razão para substituir o filtro de ar é muito simples: o fluxo de ar auxilia o motor a funcionar com melhor performance, sem exigir muito desgaste. O ideal é que um sistema de filtragem do ar seja substituído a cada ano, mas o tempo de troca depende da utilização do veículo. Quanto mais usado for o veículo, menor o prazo de troca do filtro.

5 – Filtro de combustível

O filtro de combustível é o guardião que evita a passagem de sujeira do tanque do carro para o motor. Ele deve estar sempre em ótimo estado. Ele deve ser trocado entre 10 mil e 15 mil quilômetros.

6 – Alinhamento e balanceamento

Para evitar o desgaste excessivo de pneus, alinhamento e balanceamento são fundamentais. Recomenda-se executar o serviço no máximo a cada 10 mil quilômetros, além de aproveitar e fazer o rodizio dos pneus.

7 – Velas

As velas são fundamentais para o bom funcionamento do motor. Não é preciso sentir uma falha para trocá-las. Elas podem estar danificadas mesmo com o funcionamento aparentemente normal. A substituição das velas deve ser feita exatamente na data estabelecida pela montadora, que pode variar de 15 mil a 100 mil, conforme a marca.

Fonte: Terra – Meu Automóvel

Quais são os carros mais vendidos do Brasil por versão?

Nas listas de mais vendidos no Brasil nos últimos anos, o Chevrolet Onix domina com folga. Mas se dividirmos os modelos por versões específicas de acabamento e motorização, quem são os mais emplacados do país?

Dados disponibilizados pela consultoria Jato mostram que o início do ranking não é lá muito diferente do que já conhecemos, com as configurações 1.0 de Onix, Ka, Sandero e HB20 figurando entre os cinco mais vendidos.

No caso do Onix, os 28.135 exemplares da liderança são da versão de entrada Joy, que mantém o visual antigo do modelo, junto de uma lista de equipamentos modesta.

O compacto da Chevrolet volta a aparecer em terceiro colocado na configuração LT com motor 1.0. As versões LT 1.4 (16º), LTZ 1.4 (17º) e LTZ 1.4 automático (48º) também aparecem na lista.

Depois vem o Ka SE 1.0. No compacto da Ford, vale o destaque para as fracas vendas das versões com motor 1.5. Nenhuma está entre os 50 da lista presente no final desta matéria, ao contrário da SE Plus 1.0 (13º) e do sedã Ka+ SE 1.0 (46º).

O Renault Sandero aparece em 4º lugar na versão Expression 1.0 e em 11º na configuração Authentique 1.0. Já o Hyundai HB20, segundo lugar entre os modelos acumulados, fica em 5º com a versão Comfort Plus 1.0, segundo os números da Jato, em 12º com o Comfort 1.0 e em 28º com o Comfort Plus BlueMedia 1.0.

O primeiro não-popular da lista é o Toyota Corolla, cuja versão intermediária XEi 2.0 aparece na 6ª colocação, mesmo custando mais de R$ 100 mil.

Outra curiosidade do sedã é a grande participação do motor 1.8, ao contrário do que o senso comum nos forçar a pensar. Depois do XEi, o GLi Upper aparece em 43º lugar e o GLi mais simples em 46º.

Ainda mais surpreendente é a presença da Fiat Toro Freedom 1.8 automática (versão de entrada da picape intermediária) na 7ª posição, à frente de medalhões do mercado como VW Gol Trendline 1.0 e Fiat Strada Working.

Entre os SUVs, quem se dá melhor é o Honda HR-V EX 1.8, o único do segmento a figurar no Top 10. Mas há dois concorrentes se aproximando perigosamente: o Hyundai Creta na versão topo de linha Prestige 2.0, na 15ª colocação, e o Jeep Compass Longitude 2.0 flex, em 18º.

Fonte: http://quatrorodas.abril.com.br/noticias/quais-sao-os-carros-mais-vendidos-do-brasil-por-versao/

Como cuidar do seu carro na cor preta

Nem todas as pessoas sabem como devem cuidar de carros na cor preta, alguns procedimentos simples podem ajudar a mantê-lo belo.

Quem tem carro na cor preta sabe que não é fácil mantê-lo sempre limpo. Apesar das pessoas acharem que o preto disfarça a sujeira, isso não ocorre, pois acaba se sujando de uma maneira ou de outra e ainda deixando marcas. Por conta disso existem alguns cuidados que podem evitar problemas de riscos, queimaduras de sol, manchas causadas por sereno ou qualquer outro tipo de problema mais grave que venha a acontecer.

Evite desgaste do sol e sereno

Existem pessoas que nunca cuidam de seus carros em nenhuma das estações do ano. Acham que só precisam lavar às vezes e está tudo bem. Na verdade, não é assim. Quando um carro preto não é lavado corretamente com os itens adequados é normal que ele estrague e fique com o verniz queimado. Quando isso acontece, normalmente, o carro fica totalmente descaracterizado. Para evitar que isso aconteça é importante que você utilize cera adequada para mantê-lo sempre limpo, além de manter a pintura original e evitar que o desgaste do verniz atinja todas as partes de seu veículo. Por isso tenha sempre cera, estopas e, ao menos uma vez por mês, faça uma lavagem com ela.