Dicas de manutenção preventiva antes de pegar estrada!

Chegou a época de férias, fizemos um check list de manutenção preventiva para você fazer antes de pegar a estrada :

 

  • Combustíveis e lubrificantes – Abasteça em postos conhecidos por você e não deixe o combustível muito tempo parado no tanque antes de pegar a estrada.

    Filtros de ar, óleo e combustível – Efetue a troca desse sistema conforme indicado no manual do proprietário. Trocar o óleo, por exemplo, sem a troca do filtro, diminui a vida útil do lubrificante.

    Limpador de para-brisas – Cheque se as lâminas e as borrachas estão em bom estado e se os encaixes das hastes estão seguros. Lave a borracha das palhetas apenas com água.

    Freios – O nível do fluído de freio e possíveis vazamentos devem sempre ser checados. Se houver ruídos, trepidações, perda de eficiência ou pedal duro, peça uma avaliação mais minuciosa.

    Velas e cabos – Alguns fabricantes indicam que as velas devem ser examinadas a cada 10 mil km e os cabos trocados a cada 50 mil km. Qualquer falha neste sistema pode ocasionar desgaste prematuro e comprometer a vida útil de outros componentes.

    Suspensão – O sistema de amortecimento e estabilidade do veículo é tão importante quanto o dos freios. Além dos amortecedores, as molas, as buchas, as bandejas, os pivôs e os terminais também merecem inspeção para evitar que você saia da sua rota.

    Correia dentada – A substituição preventiva desse elemento, segundo os fabricantes, deve ser efetuada (em média) a cada 50 mil km. Mas uma verificação em cada 15 mil km pode apontar trincas e desgastes indicando a necessidade de troca. O rompimento desta peça pode danificar gravemente o motor.

    Radiador – Respeite a data limite de troca do líquido de arrefecimento do motor. E peça para seu mecânico conferir o funcionamento da válvula termostática, do radiador, da bomba d’água, da ventoinha e dos marcadores de temperatura no painel.

    Sistema elétrico, faróis e lâmpadas – Para viajar com segurança, é importante também fazer um check-up na bateria, no motor de partida, no alternador e em todas as lâmpadas e fusíveis do carro. Lembre-se, você pode pegar uma serra com neblina ou estrada em dia de chuva. E não deixe dispositivos elétricos funcionando por muito tempo, como o rádio, caso o motor esteja desligado.

 

Boas férias!
www.grupogagliardi.com
#GrupoGagliardi

Tudo o que você precisa saber antes de trocar o óleo do carro

Aprenda a evitar os principais erros na hora de substituir o lubrificante do motor

Nunca é demais lembrar que o óleo, além de lubrificar, limpa as superfícies internas do motor e garante seu bom desempenho.

Mesmo assim, tem gente que comete erros comuns ao trocar o produto. Ou então leva o carro ao posto de gasolina – que muitas vezes não tem o preparo ideal para fazer o serviço, nem se preocupa em inspecionar como está sendo feita a troca.

Para que você não caia nessa armadilha, mostramos a seguir os principais perigos na hora de substituir o lubrificante.

Passar o prazo de troca

Respeitar os prazos (intervalos de 5.000 km ou 10.000 km, conforme o fabricante) não é excesso de zelo. O óleo se contamina e oxida com o passar do tempo.

Sendo assim, utilizar o produto além do período recomendado pela montadora pode levar à formação de borra e comprometer a capacidade de lubrificação das peças internas do motor, com aumento de atrito e desgaste precoce.

Só completar o lubrificante

O ideal é sempre fazer a troca completa. O ato de completar, mesmo que seguindo a mesma especificação, acaba por misturar óleo novo com usado.

Nesse processo, haverá contaminação, o que pode comprometer a eficácia do óleo, pois a mistura resultante é um lubrificante misto, muito diferente dos dois originais. Caso seja inevitável completar, o recomendado é que seja feito com produto de mesma marca e, assim que possível, todo o lubrificante seja substituído.

 Misturar mineral com sintético

O correto é nunca misturar o óleo, mas em situações de emergência (como um vazamento) é possível misturar marcas diferentes quando não houver o mesmo lubrificante.

Mas eles devem sempre ter a mesma base (sintético, semissintético ou mineral), a mesma viscosidade e o mesmo grau API e SAE. Caso contrário, pode prejudicar a eficiência da lubrificação e gerar sérios riscos ao motor.

Por exemplo, viscosidade acima da indicada resultará em maior consumo de combustível e o lubrificante irá trabalhar em uma temperatura maior, reduzindo sua vida útil. Já viscosidade inferior irá provocar desgaste prematuro do motor. E lembre-se: assim que possível, deve-se fazer a troca completa.

Por Fernando Miragaya – Quatro Rodas Brasil

O que é Cambagem?

É o ajuste que determina o ângulo entre o chão e a linha vertical da roda. O controle dessa inclinação, que pode ser positivo ou negativo, influencia as características de rolamento das rodas. Um sinal de que existe problema na cambagem é o desgaste irregular dos pneus. Uma checagem nas rodas a cada 10000 quilômetros, incluindo aí o rodízio dos pneus, é indicada. Oficinas especializadas fazem a leitura da inclinação por meio de sensores eletrônicos. Havendo necessidade, o acerto é feito apertando ou soltando um jogo de parafusos no braço de suspensão da roda ou diretamente no eixo. O alinhamento e o balanceamento devem ser incluídos no ajuste para que o acerto seja realmente eficiente.

A importante relação entre as mulheres e a oficina mecânica

O número de mulheres interessadas no setor automobilístico tem aumentado cada vez mais, deixando de lado a história de que somente os homens entendem de veículos automotivos. As mulheres estão cada vez mais independentes e procuram saber sobre assuntos que até então eram somente de interesse masculino, o que inclui o mundo da oficina mecânica.

As mulheres e a indústria de automóveis

A quantidade de mulheres com carteira de motorista aumentou, assim como a presença feminina nos serviços de motoristas de ônibus, caminhões e táxi. Por menos comum que seja ver uma mulher dirigindo um ônibus, por exemplo, é necessário respeitar quem trabalha nesse meio e deixar o preconceito de lado, afinal mulheres são tão capazes quanto os homens no volante.

As indústrias de automóveis têm se mostrado por dentro desse crescimento de mulheres no volante, pois atualmente buscam fabricar veículos modernos, práticos, com grande quantidade de itens tecnológicos e com melhores condições de ergonomia, características muito procuradas por elas. O interesse feminino em automóveis ocorre justamente pelo fato de as empresas fabricarem modelos que têm a ver com esse grupo.

Presença feminina na oficina mecânica

Mas, além de se interessar pelo design do automóvel e seus acessórios, o público feminino tem sido cada vez mais engajado, e muitas mulheres buscam entender mais sobre os aspectos mecânicos do veículo. Em oficinas mecânicas, clientes homens costumam levar seus carros, procuram entender o problema e acompanham o mecânico na maioria das etapas. Hoje há ainda mais mulheres que também têm esse interesse. Então, é importante que os mecânicos saibam disso e as auxiliem igualmente a entender mais sobre seu automóvel.

Além do crescimento na compra de veículos por parte das mulheres, também há o interesse desse grupo nas profissões até então taxadas como masculinas. Muitas mulheres que possuem pais mecânicos se entusiasmam nessa profissão, mas há aquelas que, mesmo sem influência da família, acabam adquirindo o interesse.

Qualidade no trabalho com automóveis

É notável a grande inserção desse público na área da mecânica, sempre lutando para quebrar o preconceito. Portanto, se você trabalha nesse ramo, não pense duas vezes antes de contratar uma mulher qualificada para seu ambiente de trabalho. Uma oficina mecânica que abre as portas para mulheres, além de ajudar a quebrar os padrões sexistas impostos pela sociedade, traz mão de obra qualificada para a empresa.

Ter pessoal capacitado é importante para toda oficina e hoje há um grande número de mulheres formadas em cursos profissionalizantes nessa área. Além disso, a mulher tende a ser mais atenciosa e organizada, o que melhora ainda mais o atendimento aos clientes.

A formação do público feminino nessa área

Na graduação, os cursos de engenharia são compostos em sua maioria por estudantes do sexo masculino, porém o número de mulheres matriculadas tem aumentado cada vez mais, quebrando o senso comum de que esses cursos são de natureza masculina. Nas feiras de automóveis feitas anualmente, frequentadas por homens em sua maioria, é possível observar o aumento de mulheres que visitam e têm interesse na área.

Vistas todas essas atuações que antes eram consideradas somente masculinas, é possível perceber que as mulheres estão ganhando cada vez mais espaço em ambientes que até então não eram considerados próprios para elas. É preciso reconhecer que talento não escolhe gênero e, em se tratando da área mecânica, elas também dão conta do recado.

Por Flávio Fornasier

9 Carros mais amados pelas Mulheres Brasileiras

Do mais robusto ao mais delicado. Conheça os carros de mulher favoritos no Brasil

Detalhistas, exigentes e cuidadosas, as mulheres tendem a ser caprichosas na hora de escolher um veículo. Entre os itens com os quais elas mais se preocupam estão o espaço, posição do banco, entretenimento e até ganchos e porta-trecos. Mas não é só isso!

Elas também estão atentas aos custos com a manutenção, combustível, IPVA e seguro do automóvel. E todos esses fatores costumam entrar na análise das jovens motoristas na hora de escolher o seu primeiro carro. E, claro, não podemos deixar de mencionar se ele é ou não é bonitinho! Ou seja, o design também é, sem dúvida, um fator a mais na hora de conquistar este público.

Não se engane pelos modelos simpáticos e arredondados! Os modelos conhecidos como carros de mulher estão muito diversificados, entre potência, custo x benefício e elegância. O Land Rover Evoque, por exemplo, apesar do estilo invocado, tem encantado mulheres que já não querem mais carros “fofinhos”.

Agora é que são elas!

Como a venda de autos para o público feminino só cresce, algumas montadoras já investem em pesquisas direcionadas especialmente para mulheres. Entre as preocupações das fábricas estão segurança, acabamentos, acessórios, cores, posição elevada do banco, estofados, quebra-sol (por que ninguém vive sem um espelhinho!) e até a maçaneta, pois algumas já reclamaram de ter quebrado a unha ao abrir o carro – e isso já está sendo levado em consideração!

Conheça agora os preferidos! Confira a lista abaixo e descubra quais são os modelos e quais foram as considerações apontadas por elas:

1. Citroën C3

O design curvilíneo é encantador à primeira vista! Compacto e confortável, ele tem mais da metade de suas vendas destinadas a elas. No Brasil, é o carro preferido das mulheres. Fácil de estacionar, ele agrega uma legião de fãs por ser um aliado na hora de achar uma vaga nas grandes cidades.

2. Volkswagen Fox

Hoje ele já possui um grande catálogo de cores desenvolvido para este modelo, o que pode trazer ainda mais consumidoras. A participação das mulheres na compra do Fox é tanta que as opiniões delas influenciaram grande parte do upgrade do modelo feito em 2009. E entre as mudanças está o ar condicionado, que foi redesenhado para não estragar a unha da motorista!

3. Honda Fit

Aqui o espaço interno é um diferencial. Este carro é versátil e permite uma ampla configuração dos assentos, possibilitando o transporte de objetos como carrinhos e bicicletas. Outros pontos fortes são a posição do volante, que permite maior visibilidade, e a direção elétrica que é leve e macia.

4. Fiat Uno

Desde que o novo modelo chegou no mercado há cerca de 6 anos, as vendas deste carro não pararam de crescer. Econômico e com preço baixo, ele chama a atenção pela variedade de customização: que vai desde adesivos temáticos a uma cartela de cores chamativas e poderosas!

5. Ford EcoSport

A altura aqui é sem dúvida um diferencial. Além de ser imponente, ele possibilita um campo de visão privilegiado, trazendo mais segurança para a motorista.  Este SUV compacto também é acessível e dispõe de uma série de tecnologias e funcionalidades. Entre elas está a partida do motor no botão dos modelos novos e o câmbio automático.

6. Volkswagen New Beetle

Ah, esse não precisa nem de muitas explicações! Ele tem um vasinho para flores próximo ao volante. Mas não se engane pelo design fofo – que já foi até inspiração para o carro da Barbie. O motor desta máquina é um dos mais potentes da marca!

7. Ford Ka

Este sempre conquistou o coração delas desde o primeiro modelo, que chegou no país em 1997. Já o novo Ka só fez esse amor crescer sendo ainda mais confortável sem perder seu principal atributo: ele cabe em qualquer lugar!

8. Kia Soul

Seu design arrojado e elegante é só um detalhe se comparado às suas funcionalidades. O utilitário encaixado na linha dos crossover compactos ganha mimos da marca coreana como câmera de ré e teto solar.

9. Fiat 500

O ar retrô deste automóvel é de matar! Não tem como não ficar babando com esse carro típico das ruas italianas. Compacto, ele não deixa de oferecer opções encantadoras como o teto conversível. As variedades de personalização interna e externa também são um charme à parte. E já falamos que a pronúncia é tão fofa quanto o modelo? Ou vai dizer que não é demais pronunciar o nome dele em italiano: “cinquecento”, bello!

Fonte: https://guiaauto.bemmaisseguro.com

Maio Amarelo: um mês de alerta, reflexão e exercício de civilidade

O Movimento Maio Amarelo nasce com uma só proposta: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo.

O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada para, fugindo das falácias cotidianas e costumeiras, efetivamente discutir o tema, engajar-se em ações e propagar o conhecimento, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige, nas mais diferentes esferas.

Acompanhando o sucesso de outros movimentos, como o “Outubro Rosa” e o “Novembro Azul”, os quais, respectivamente, tratam dos temas câncer de mama e próstata, o “MAIO AMARELO” estimula você a promover atividades voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e à avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro de seus deslocamentos diários no trânsito.

A marca que simboliza o movimento, o laço na cor amarela, segue a mesma proposta de conscientização já idealizada e bem-sucedida, adotada pelos movimentos de conscientização no combate ao câncer de mama, ao de próstata e, até mesmo, às campanhas de conscientização contra o vírus HIV – a mais consolidada nacional e internacionalmente.

Portanto, a escolha proposital do laço amarelo tem como intenção primeira colocar a necessidade da sociedade tratar os acidentes de trânsito como uma verdadeira epidemia e, consequentemente, acionar cada cidadão a adotar comportamento mais seguro e responsável, tendo como premissa a preservação da sua própria vida e a dos demais cidadãos.

Vale ressaltar que o MAIO AMARELO, como o próprio nome traduz, é um movimento, uma ação, não uma campanha; ou seja, cada cidadão, entidade ou empresa pode utilizar o laço do “MAIO AMARELO” em suas ações de conscientização tanto no mês de maio, quanto, na medida do possível, durante o ano inteiro.

A motivação para o Movimento MAIO AMARELO não é novidade para a sociedade. Muito pelo contrário, é respaldada em argumentos de conhecimento público e notório, mas comumente desprezados, sem a devida reflexão sobre o impacto na vida de cada cidadão.

Em conclusão, o MAIO AMARELO quer e espera a participação e envolvimento de todos comprometidos com o bem-estar social, educação e segurança em decorrência de cultura própria e regras de governança corporativa e função social; razão pela qual, convidamos você, sua entidade ou sua empresa a levantar essa bandeira e fazer do mês de maio o início da mudança e fazer do AMARELO, a cor da “atenção pela vida”.

Sobre a Década de Ação para a Segurança no Trânsito

A Assembleia-Geral das Nações Unidas editou, em março de 2010, uma resolução definindo o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”. O documento foi elaborado com base em um estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde) que contabilizou, em 2009, cerca de 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países. Aproximadamente 50 milhões de pessoas sobreviveram com sequelas.

São três mil vidas perdidas por dia nas estradas e ruas ou a nona maior causa de mortes no mundo. Os acidentes de trânsito são o primeiro responsável por mortes na faixa de 15 a 29 anos de idade; o segundo, na faixa de 5 a 14 anos; e o terceiro, na faixa de 30 a 44 anos. Atualmente, esses acidentes já representam um custo de US$ 518 bilhões por ano ou um percentual entre 1% e 3% do PIB (Produto Interno Bruto) de cada país.

Se nada for feito, a OMS estima que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 (passando para a quinta maior causa de mortalidade) e 2,4 milhões, em 2030. Nesse período, entre 20 milhões e 50 milhões de pessoas sobreviverão aos acidentes a cada ano com traumatismos e ferimentos. A intenção da ONU com a “Década de Ação para a Segurança no Trânsito” é poupar, por meio de planos nacionais, regionais e mundial, cinco milhões de vidas até 2020.

O Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito, precedido por Índia, China, EUA e Rússia e seguido por Irã, México, Indonésia, África do Sul e Egito. Juntas, essas dez nações são responsáveis por 62% das mortes por acidente no trânsito.

O problema é mais grave nos países de média e baixa rendas. A OMS estima que 90% das mortes acontecem em países em desenvolvimento, entre os quais se inclui o Brasil. Ao mesmo tempo, esse grupo possui menos da metade dos veículos do planeta (48%), o que demonstra que é muito mais arriscado dirigir um veículo — especialmente uma motocicleta — nesses lugares.

As previsões da OMS indicam que a situação se agravará mais justamente nesses países, por conta do aumento da frota, da falta de planejamento e do baixo investimento na segurança das vias públicas.

De acordo com o Relatório Global de Segurança no Trânsito 2013, publicado pela OMS recentemente, 88 países membros conseguiram reduzir o número de vítimas fatais. Por outro lado, esse número cresceu em 87 países.

A chave para a redução da mortalidade, segundo o relatório, é garantir que os estados-membros adotem leis que cubram os cinco principais fatores de risco: dirigir sob o efeito de álcool, o excesso de velocidade, não uso do capacete, do cinto de segurança e das cadeirinhas. Apenas 28 países, que abrigam 7% da população mundial, possuem leis abrangentes nesses cinco fatores.

Fonte: http://maioamarelo.com

5 dicas para limpar bem o interior do carro e gastar pouco!

Por mais que você limpe a lataria, os pneus, as rodas e os retrovisores do seu carro, é preciso também dar atenção ao lado de dentro, já que é ali onde você passar muito mais tempo.

Para manter o interior limpo, é importante evitar a sujeira. Tente evitar, por exemplo, comer dentro do carro. Isso salvaria os bancos e os tapetes, pois estes são os mais sensíveis e os que mais precisam de toques especiais.

Seguem dicas simples para qualquer um fazer em casa e manter o interior do carro sempre limpo:

Para limpar o painel
No painel, é importante ser delicado. Não jogue água diretamente. Use um pano úmido e certifique-se de que o pano não esteja sujo, para não afetar a superfície. Você também pode passar um pano de microfibra com silicone para lustrar. O mais importante é retirar toda a poeira que se acumula junto aos instrumentos do painel.

Para limpar os tapetes
Se os tapetes do seu carro forem feitos de borracha, é indicado retirá-los e lavá-los com água, sabão e uma escovinha. Isso permite limpar entre as ranhuras e retirar toda sujeira. Se seu tapete for do tipo “carpete”, então uma boa escova úmida é o suficiente. Além disso, tenha cuidado ao secar, pois o tapete tipo carpete precisa de mais tempo para secar e não ficar cheirando mal dentro do carro.

Para limpar os vidros
A limpeza interna dos vidros é outro ponto de atenção. Isso porque é preciso retirar a gordura causada pelo suor e as tradicionais manchas que ficam quando alguém encosta a mão ou os dedos no vidro. A dica é usar um pano limpo de microfibra com produtos adequados para essa limpeza, como o cristalizador de vidros, que serve tanto para os vidros, quanto para os retrovisores. Depois, basta finalizar a limpeza com um antiembaçante, para evitar que a visibilidade fique prejudicada em dias de chuva.

Para limpar o estofamento
Para não dificultar na secagem, evite usar água diretamente no estofamento, para que não umedeça a espuma. Se estiver com sujeira mais pesada, use um pano úmido com detergente. Se não houver nada demais, use um aspirador de pó para tirar a sujeira leve. Se seu banco for feito de couro, use um pano seco e macio, semanalmente. Os bancos com cor clara precisam de limpeza mais profunda porque deixam a sujeira mais evidente. Nesse caso, é bom passar um pano macio e úmido com sabão líquido (que é menos abrasivo) neutro e depois retirar com um pano seco o excesso.

Para limpar o interior em geral
Todos os compartimentos, como porta-luvas, porta-copos, o próprio volante e até mesmo o chão do carro, podem ser limpos com aspirador de pó e produtos com pouca química, para que não prejudiquem ou alterem o material. Por exemplo, alguns desses “preteadores” a base de silicone não são indicados, pois são abrasivos. Portanto, use apensa um pano para retirar sujeira mais grossa e aspirador para as sujeiras leves.

www.grupogagliardi.com

Diferenças entre óleo Mineral e Sintético.

Existem basicamente três tipos de óleo lubrificante: mineral, semi-sintético e sintético. Quais as diferenças básicas entre eles e as vantagens de cada um?

Os lubrificantes de base mineral são formulados com óleos básicos derivados do refino do petróleo. São compostos de frações de hidrocarbonetos podendo ser classificados como parafínicos, naftênicos ou aromáticos de acordo com a composição química, origem do petróleo e com os processos de refino.

Os óleos sintéticos possuem composição química bem definida, e são obtidos a partir de reações químicas de polimerização de insumos provenientes da indústria petroquímica. Podemos dizer que os óleos sintéticos foram desenvolvidos exclusivamente para serem utilizados como lubrificantes, sendo assim, possuem características excelentes para desenvolverem este papel. Seu processo de fabricação requer cuidados especiais, refletidos no produto final. Os óleos sintéticos, por sua maior estabilidade e detergência, mantêm suas propriedades por um período mais longo que os óleos minerais.

Os óleos semi-sintéticos constituem-se de uma mistura de bases minerais e sintéticas, em proporções variadas. Apresentam desta forma características intermediárias, de acordo com o percentual de cada base. Os óleos sintéticos apresentam, por exemplo, melhor resistência à oxidação que os óleos minerais. Quanto maior for o teor de base sintética em um óleo semi-sintético maior será sua resistência à oxidação.

É bom ressaltar que o benefício oferecido pelo óleo sintético está na lubrificação mais eficiente garantindo um aumento na vida útil do motor, e nunca na extensão do período de troca. Devido sua excelente estabilidade térmica e à oxidação, podem trabalhar sob temperaturas mais elevadas que os óleos minerais. Além disso, sua película lubrificante é mais resistente se mantendo mesmo nas condições mais severas de carga.

 

Algumas dicas básicas de manutenção de moto podem ajudar a conservar seu veículo seguro e livre de surpresas!

Freio

Para parar, em qualquer situação, você precisa que os freios estejam funcionando muito bem, por isso é essencial que sejam verificados com frequência. Para as motos que contam com freio a disco, a checagem torna-se mais fácil devido ao desgaste das pastilhas, o que o próprio motociclista pode observar. Já nos modelos que possuem freios a tambor, essa checagem fica mais difícil, sendo necessário que ele seja removido para análise.

Com o tempo, o motociclista vai se familiarizando com a máquina e com alguns problemas que pode encontrar pela frente, como os que acontecem com os freios, que podem ser percebidos facilmente. Os freios a tambor que usam lona, por exemplo, podem fazer ruído quando estão com desgaste.

Um cuidado a mais que se deve ter com esse tipo de freio é observar a elasticidade das molas das lonas porque, se estiverem com problema, podem travar a roda e trazer risco à segurança. Então, fique de olho nos freios e procure um mecânico de confiança se notar qualquer sinal de problema.

 Bateria

Baterias que não são seladas podem ter seu nível de água baixo. O que terá que fazer é remover adequadamente a bateria da moto e completar cada reservatório com água destilada, que você poderá encontrar em postos de gasolina e farmácias.

Nunca use água comum, de torneira ou mineral, porque ela oxida o interior da bateria. No verão, e em motos que ficam muito tempo estacionadas sob o sol, essa verificação deve ser mais frequente.

 Corrente

A corrente da moto merece atenção especial. Ela precisa estar sempre lubrificada e sem muita folga, detalhes que são essenciais para a segurança do motociclista.

Com o tempo, a corrente da motocicleta vai perdendo a lubrificação, e o problema se acentua em dias de chuva ou quando a pilotagem ocorre em regiões com muita terra ou areia. A dica é lubrificar a corrente toda vez que trafegar na chuva. Lubrifique a corrente com o óleo indicado, aplicando com um pincel em toda a extensão da corrente. O ideal é lubrificar a corrente a cada 500 quilômetros rodados em asfalto.

A folga da corrente é outro problema que merece checagem a cada mil quilômetros rodados. Ela vai ficando abaulada com o tempo e necessita de ajuste frequente. Verifique no manual de sua moto a indicação do momento em que vai precisar de ajuste. De qualquer forma, observe e informe ao seu mecânico.

 Óleo do motor na manutenção de moto

É muito importante para a vida útil do motor que os prazos para a troca de óleo sejam seguidos à risca. Você pode escolher a marca de sua preferência, mas é imprescindível que siga a recomendação quanto à viscosidade indicada pelo fabricante. Verifique no manual do proprietário!

Abra o compartimento e verifique o nível de óleo, que deve estar entre as marcas “mínimo” e “máximo”. Estando abaixo do nível mínimo, preencha com o lubrificante até o nível normal.

 Pneus

A calibragem e o bom estado dos pneus são fatores muito importantes na manutenção de moto e simples de serem feitos, pois tanto a calibragem quanto o estado dos pneus podem ser facilmente observados. A calibragem pode ser verificada a cada ida ao posto de combustível. Quanto ao estado dos pneus, é só trocá-los se estiverem gastos. A indicação de troca é a cada cinco anos, a não ser que estejam visivelmente gastos.

Existem muitos outros itens que necessitam de manutenção periódica! Mas essas dicas simples de manutenção de moto são muito importantes e podem ser feitas por você!

Fonte: Suhai Seguradora

Evite danos da maresia no carro

Os motoristas do litoral brasileiro já estão acostumados com uma fina névoa úmida e salgada vinda do mar. A famosa “maresia” é uma grande vilã dos veículos, pois causa a corrosão de objetos metálicos, podendo até enferrujar a lataria do automóvel. Para evitar problemas, confira algumas dicas: após o período na praia, verifique se os terminais de bateria, conectores elétricos, filtros de ar e equipamento de lubrificação estão livres de água e areia.

Durante a estadia no litoral, tente guardar seu carro num lugar coberto e fechado durante a noite. Caso permaneça na praia por mais de 15 dias, encaminhe seu carro para lavagem especial. Os resíduos de areia e sal podem romper as coifas do amortecedor, comprometendo o desempenho da suspensão do veículo. Portanto, a manutenção na caixa de direção e nos amortecedores é sempre importante.

Fonte: http://mobil.cosan.com